Linha do Tempo da Literatura em 3D

0 Comentários

Quem curtiu a apresentação que fiz sobre a linha do tempo da literatura brasileira já pode fazer o download, transformei a apresentação em 3D em PowerPoint (ppt) é só baixar.


Mais informações »

Le Livros - Ebooks Grátis

0 Comentários
Você gosta de ler? Já se adaptou aos leitores digitais e tablets?

Conheça um excelente site de distribuição de livros eletrônicos nos formatos mais populares, epub e mobi: O Le Livros. Tem muita coisa boa por lá e você precisa conferir.

http://lelivros.biz/


Mais informações »

Vinícius de Moraes - Centenário

0 Comentários

Hoje é o centenário de um dos maiores ícones de nossa poesia. Toda sua obra está disponível no sítio oficial do Poetinha, como era conhecido. Podemos encontrar vida e obra de Vinícius de Moraes.




Mais informações »

Morte e Vida Severina em Desenho Animado

0 Comentários
No dia 09/10 completou mais um aniversário de morte do autor. Em sua homenagem confira a obra Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto em desenho animado. Vale a pena assistir, ler ou reler a qualquer momento.


Mais informações »

Revisão 1º Anos

0 Comentários
Para os meus alunos dos 1º Anos segue uma revisão básica gravada em áudio e o texto dessa revisão. Para fazer o download é só clicar em baixar.

Revisão em Áudio - Baixar
Revisão em Texto - Baixar

Mais informações »

A História da Língua Portuguesa

5 Comentários


Depois de bastante tempo sem publicar no blog, por causa das grandes mudanças dos últimos meses a publicação de hoje é especial. 

A história da língua portuguesa em quadrinhos foi um projeto que eu iniciei em 2011, aprendendo a utilizar a ferramenta Pixton na web para fazer quadrinhos. Nem precisa falar que eu amei trabalhar com o Pixton, e o resultado me agradou bastante. Recomendo a ferramenta para todos os que gostam de criar essa ferramenta é útil para professores e alunos interessados em contar histórias de maneira diferente.

Faça o download da revista em PDF clicando na imagem!



Mais informações »

Humanismo e o nascimento do teatro em Portugal

1 Comentários

Gil Vicente

Humanismo e o nascimento do teatro em Portugal

Oscar D'Ambrosio*

Pode-se dizer que, em boa parte, o teatrólogo e ator português Gil Vicente é fruto de uma época. Criou o que se convencionou chamar de teatro vicentino, caracterizado pelo poder da sátira. Sua biografia repleta de incertezas se dá aproximadamente entre 1465 e 1536, no contexto do que se convencionou chamar de Humanismo português.
É um período iniciado em 1418, quando D. Duarte nomeia Fernão Lopes como guardador da Torre do Tombo, o arquivo central do Estado Português desde a Idade Média, e termina quando Sá de Miranda retorna da Itália, em 1527, trazendo para Portugal a cultura clássica.
O Humanismo é um período de transição entre o fim da Idade Média e a Idade Moderna. Caracteriza-se pelo crescimento das cidades e o enfraquecimento do feudalismo. Com a perda de poder dos senhores de terras, os reis se aliam aos burgueses, principalmente comerciantes, passando a dividir com a Igreja o poder político.
Uma consequência direta, na área cultural é a criação de bibliotecas fora dos conventos. Os direitos ligados à individualidade também são valorizados. Começa a se abandonar o teocentrismo em busca de valores relacionados às próprias possibilidades de desenvolvimento, mas sem abandonar totalmente o temor a Deus.
Gil Vicente cresce nesse universo. Escreveu autos, comédias e farsas, em castelhano e em português. São conhecidas 44 peças, 17 em português, 11 em castelhano e 16 bilíngues. Destacam-se dois gêneros:
a) os autos, com a finalidade de divertir, de moralizar ou de difundir a fé cristã; e
b) as farsas, peças cômicas de um só ato, com enredo curto e poucas personagens, extraídas do cotidiano.
Ambos são plenos de críticas à sociedade.
Entre os autos, a Trilogia das Barcas (Barca do Inferno, 1517; Barca do Purgatório, 1518; e Barca da Glória, 1519) reúne peças de moralidade, que constituem uma alegoria dos vícios humanos; e o Auto da Alma, de 1518, encena a transitoriedade do homem na vida terrena e os seus conflitos entre o bem e o mal. As farsas, como Quem Tem Farelos?, 1515; Mofina Mendes, 1515, e A Farsa de Inês Pereira, 1523, realizam quadros populares de força moral e simbólica, num tom cômico mais contundente.
O ponto mais forte de Gil Vicente está na criação de tipos humanos como o velho apaixonado, a alcoviteira, a velha beata, o escudeiro fanfarrão, o médico incompetente, o judeu ganancioso, o fidalgo decadente, a mulher adúltera e o padre corrupto.
Escritas em versos, as peças estão repletas de trocadilhos e ditados populares. É importante ressaltar que a crítica do dramaturgo português é muito mais aos indivíduos corruptos do que à religião em si mesma, seus dogmas e hierarquias.
Nesse aspecto, Gil Vicente crê no teatro como uma forma de denunciar a degradação dos costumes, seja na Igreja, na família ou entre as classes profissionais como os médicos ou sapateiros. Acima de tudo, acredita no poder do riso como uma maneira de recolocar o homem no bom caminho, aquele que o afasta do vício em direção à virtude.
Oscar D'Ambrosio, jornalista, mestre em Artes pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é crítico de arte e integra a Associação Internacional de Críticos de Artes (Aica - Seção Brasil).

Mais informações »

Conteúdo Exclusivo para a Avaliação.

3 Comentários

Para os alunos do terceiro ano, um conteúdo para ajudar com a avaliação:

Resumo do Modernismo 2ª Fase – Prosa

O que chamamos de Prosa Modernista da segunda fase, trata-se da ficção escrita entre os anos 30 e 40 do século XX. São obras dessa época Fogo Morto de José Lins do Rego e Vidas Secas de Graciliano Ramos, por exemplo. A prosa literária da segunda fase do Modernismo brasileiro revelou uma tomada de consciência dos problemas sociais, políticos, econômicos e ideológicos do Brasil. Foram temas das obras dessa época o ciclo de cana de açúcar, o proletariado, a seca e o retrato social de algumas regiões do Brasil. Os personagens, inseridos nesse contexto, retratam uma realidade brasileira até então desconhecida da literatura, como a cultura popular nordestina e as irregularidades climáticas do Brasil. Os principais representantes desta fase são: Graciliano Ramos, José Lins do Rego, Rachel de Queiroz, Érico Veríssimo, Jorge Amado e Dionélio Machado.
Em seu romance Vidas Secas, Graciliano Ramos constrói personagens que refletem toda a complexidade da seca nordestina, de maneira clara e direta. Em dados momentos as personagens da obra se encontram descritos de maneira realista ou animalizada em excesso, lembrando, apesar de ser modernista, o tom  do Naturalismo.  As características dos personagens estão definidas em seu perfil psicológico, trabalhado e traçado pelo autor desde o início da obra.

Guimarães Rosa é um autor da 3ª Fase do Modernismo, mas em nossa avaliação há uma questão sobre esse autor:
Guimarães Rosa é um autor ousado no campo das palavras, cria e recria significados a partir do processo de formação das palavras e dos vocábulos existentes, abusa das inversões sintáticas,  inovando sua estética artística.


Mais informações »

Resumo - Prosa Romântica

0 Comentários

Para os alunos do 2º Ano

Resumos dos Romances Românticos cobrados na avaliação. Prosa Romântica. Baixe o resumo dos livros.


Mais informações »

Resumo 2ª Fase do Modernismo - Prosa.

1 Comentários
Para quem se interessou pelo nosso conteúdo e que estudar mais, clique abaixo para fazer o download.


Mais informações »

Prosa Romântica

0 Comentários
Baixe agora mesmo um pacotão com o melhor da Prosa Romântica. Dentro do arquivo .zip você encontrará: José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Franklin Távora, Manoel Antônio Almeida, Visconde de Taunay e Álvares de Azevedo.

É só baixar, pegar seu livro e começar a fazer a leitura. 


Mais informações »

Template para a resenha

6 Comentários
Alunos de 3º Anos!

Faça o download do template do trabalhos sobre as indicações da UFG.
Depois de ler e estudar sobre a obra preencha corretamente o template, faça uma cópia para seus colegas e entregue no dia da apresentação.


Segue cronograma:

09/05/11 - 1) ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um sargento de milícias. Diversas Editoras.

10/05/11 - 2) ARAÚJO, Luís. Minigrafias. Cânone editorial.

11/05/11 - 3) DIAS, Gonçalves. I-Juca Pirama. L&PM.

16/05/11 - 4) GALERA, Daniel. Mãos de cavalo. Cia das Letras.

17/05/11 - 5) MARTINS, Alberto. Uma noite em cinco atos. Editora 34.

18/05/11 - 6) RUBIÃO, Murilo. Obra completa. Cia das Letras.

O grupo que fizer download deixa um comentário para eu saber se está tudo no caminho certo.



Mais informações »

Macunaíma, Mário de Andrade.

2 Comentários
MACUNAÍMA: O NASCIMENTO DE UM HERÓI SEM NENHUM CARÁTER

"No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite. Houve um momento em que o silêncio foi tão grande escutando o murmurejo do Uraricoera, que a índia tapanhumas pariu uma criança feia. Essa criança é que chamaram de Macunaíma.
Já na meninice fez coisas de sarapantar. De primeiro passou mais de seis anos não falando. Si o incitavam a falar exclamava: — Ai! Que preguiça!..."

Quer continuar lendo? Faça Download da obra completa.




Mais informações »

Oracões Subordinadas Substantivas

1 Comentários
Achei interessante este pequeno resumo do Youtube:


Mais informações »